Faz Sentido

Tempo de redescobrir, renovar e cultivar a nossa fé em Cristo Ressuscitado que nos pode chamar individualmente a agir em seu nome.

Bem-vindo ao Faz Sentido

Seminário Maior

NOTÍCIAS

«Nós testemunhamos uma nova luz!» - Via Lucis no Seminário Conciliar

"A temática da luz é muito importante para os cristãos, que veem nela o símbolo da Ressurreição de Cristo e da Sua vitória sobre a morte. Esta conceção deve-se ao facto de a luz ser, num espaço escuro, uma presença, uma revelação, tal como Cristo é luz nas nossas vidas, tantas vezes marcadas pela escuridão."

«Nós testemunhamos uma nova luz!» - Via Lucis no Seminário Conciliar

«Nós testemunhamos uma nova luz!» - Via Lucis no Seminário Conciliar

Via Lucis

29 de Maio de 2018

«Nós testemunhamos uma nova luz!». Foi esta a aclamação que ecoou pelos corredores e espaços do Seminário Conciliar de S. Pedro e S. Paulo, ao início da noite do dia 24 de maio, durante a Via Lucis, este ano realizada fora do Tempo Pascal, por condicionalismos de calendário.

A Via Lucis é uma devoção que tem paralelismo com a Via Crucis, a qual habitualmente realizamos na Quaresma, e remonta à Idade Média. Por seu lado, a Via Luminosa, ou Caminho Luminoso, como também é conhecida, tem uma história mais recente, tendo sido apresentada pela primeira vez na Sexta-feira Santa de 1991, pelo Papa João Paulo II. Os acontecimentos da vida de Cristo a escolher como estações para esta devoção ainda não estão definidos de uma forma estanque, pelo que existem diversos modelos a adotar, e as autoridades da Igreja não têm emitido recomendações significativas a esse respeito, o que permite essa variedade, à semelhança do que aconteceu na história com a Via Crucis.

A Via Lucis procura levar aqueles que nela participam a meditar no «outro» lado do mistério pascal de Jesus Cristo, que nos Evangelhos é apresentado por meio de acontecimentos de profunda significação espiritual. Se nas catorze estações da Via Crucis meditamos sobre os eventos da paixão e morte do Senhor, procurando seguir a Cristo no seu caminho de despojamento e de sofrimento, nas catorze estações da Via Lucis somos convidados a refletir na Ressurreição de Cristo e nos acontecimentos posteriores, os quais vieram a culminar na Ascensão de Jesus ao céu e no Pentecostes, tentando, assim, participar no caminho de glória do Senhor Jesus.

A temática da luz é muito importante para os cristãos, que veem nela o símbolo da Ressurreição de Cristo e da Sua vitória sobre a morte. Esta conceção deve-se ao facto de a luz ser, num espaço escuro, uma presença, uma revelação, tal como Cristo é luz nas nossas vidas, tantas vezes marcadas pela escuridão. No dizer de G. Ravasi, a «luz é assumida como símbolo da revelação de Deus e da sua presença na história. De um lado, Deus é transcendente, e isto expressa-se pelo facto de a luz ser exterior a nós, precede-nos, excede-nos, supera-nos. Deus, porém, está também presente e ativo na criação e na história humana, mostrando-se imanente, e isto é ilustrado pelo facto de a luz nos envolver, distingue, aquecer, invadir»[1].

Assim, com o círio pascal, símbolo de Cristo, a guiar o nosso caminho, nos diversos espaços do Seminário, desde os claustros às capelas, fomos procurando refletir sobre a nossa vida, à luz das passagens bíblicas proclamadas, e das meditações que nos foram sendo propostas, as quais tinham por base essas passagens escriturísticas.

Após o momento de oração, o dia terminou com a realização de um pequeno convívio entre os formadores e seminaristas do Seminário Conciliar, que serviu para fortalecimento de laços, e para retemperar das forças, com vista ao final de ano que se avizinha.

 

[1] In http://www.snpcultura.org/ano_internacional_da_luz_perspetiva_biblica_religiosa_cultural.html


Miguel Neto, 5º ano