Faz Sentido

Tempo de redescobrir, renovar e cultivar a nossa fé em Cristo Ressuscitado que nos pode chamar individualmente a agir em seu nome.

Bem-vindo ao Faz Sentido

Seminário Maior

NOTÍCIAS

Cheira bem, Cheira a novo ano

De forma a preparar o novo ano e a acolher os novos alunos, o quarto ano do Seminário Conciliar de S. Pedro e S. Paulo programou um fim de semana, que se pretendia diferente, na cidade de Lisboa.

Cheira bem, Cheira a novo ano

Cheira bem, Cheira a novo ano

Fim de Semana Programação

04 de Outubro de 2019

Estes momentos de partilha e de convívio saudável alicerçaram-se na diferença, na preocupação pelo outro, no verdadeiro acolhimento e no trabalhar dos afetos por parte de toda a comunidade. A visualização do filme “Shoplifters: Uma Família de Pequenos Ladrões foi o ponto de partida para se trabalhar o acolhimento.

 O desejo de querer conhecer os novos alunos espelhou-se também no desejo de conhecer a nossa capital. Neste sentido, na sexta-feira viajámos para a cidade que, citando Amália Rodrigues, “cheira bem”, havendo ainda tempo para assistir à peça de teatro Antígona, em cartaz no Teatro Nacional D. Maria II. 

 Aproveitamos bem o sábado, rumamos a Lisboa para visitar o Reservatório da Mãe d’Água no Museu da Água, onde tocamos o ponto da poluição e a importância da água, vendo-a como a Mãe da nossa subsistência. Seguiu-se uma visita guiada à Fundação Arpad Szenes - Vieira da Silva, que teve como anfitrião o professor Paulo Pires do Vale. Ainda dentro deste museu foi possível pensar a ideia de Romano Guardini, que se reflete no “Brincar Diante De Deus”,  e onde se encontram expostas as vestes litúrgicas que Lourdes Castro fez para a Capela Árvore da Vida, assim como um dos paramentos concebidos por Henri Matisse para a Capela de Nossa Senhora do Rosário, em Vence. 

Durante a tarde tivemos oportunidade de visitar a Casa das Histórias - Paula Rego, em Cascais, onde nos centramos sobre um “Olhar para dentro”, num momento de introspeção.

 No domingo, foi tempo de visitar o Museu Nacional de Arte Antiga que nos deixou perplexos e maravilhados com as suas belíssimas peças de arte e com os seus jardins, testemunhos da magnificência e da beleza dos tempos áureos, onde foi possível observar o contraste da grandiosidade, com o detalhe e o pormenor. 

De coração cheio, foi tempo de regressar à casa mãe trazendo nas veias, e nos mais ínfimos poros, uma recordação que servirá como motivação para o novo ano que começa. 

Texto: Bruno Lopes, 4º Ano; Fotos: Sérgio Araújo